Auto-hemoterapia Informações e debates

            Quem somos

                 auto-hemoterapia o que é? |  informações & debate |  depoimentos |  publicações |  vídeos |  política de privacidade |  pesquisa virtual

ver participações do dia Visitantes: 3.726.466 (início em 30/10/2010)

"Conversa com o
Dr. Luiz Moura:
O que é
auto-hemoterapia?
"


Vídeo na íntegra.

Conversa com o Dr. Luiz Moura

Agora também
subdividido em
60 temas








Assine a petição
para a Liberação da
Auto-hemoterapia








"Conversa com o
Dr. Luiz Moura:
O que é
auto-hemoterapia?
"


Vídeo na íntegra.

Conversa com o Dr. Luiz Moura

Agora também
subdividido em
60 temas

Busca Saúde
Loading

 DOSES USUAIS EM AUTO-HEMOTERAPIA E A

Auto-Hemoterapia - Informações e Debate - Participação
6146
Sexta-feira, 5 de junho de 2020 - 15:41:18
200.187.174.82

DOSES USUAIS EM AUTO-HEMOTERAPIA E A  

"AUTO-HEMOTERAPIA CURATIVA EM ALTAS DOSES (40 a 80 cc.)"  

 

Qual é a dose a ser aplicada em auto-hemoterapia? Qual é o intervalo entre as aplicações? Crianças e pessoas na terceira idade podem fazer auto-hemoterapia? E grávidas podem usar a técnica? Estas e outras perguntas estão respondidas pelos dr. Luiz Moura e Jésse Teixeira, e por outros profissionais de saúde.  

 

Jésse Teixeira foi o cientista que mostrou com suas pesquisas como e porque ocorre o aumento da imunidade em quatro vezes, durante cinco dias, com as aplicações da auto-hemoterapia. Sua pesquisa foi publicada em março de 1940. 

 

INTERVALOS  

 

O intervalo tem de ser sempre de cinco em cinco dias em situações como no tratamento de doenças infecciosas, ou em epidemias como a da Covid-19, em que o sistema imunológico tem de estar sermpre ativado. Em caso de aplicações com maiores intervalos, por exemplo, de sete em sete dias, se abre uma janela para que o agente causador da doença se instale no corpo. Aí, quando os efeitos da auto-hemoterapia começam, o agente já terá feito estrago, dificultando a cura.  

 

E se a dose for pequena? Corre-se o risco de que o agente causador da doença se instale, e produza estrago ainda que minimizados, mesmo com as aplicações. Uma outra pessoa, imunizada com a vacina auto-hemoterapia morando no mesmo espaço, pode até mesmo não ser contaminado. Há casos assim, caso o relatado por um enfermeiro brasileiro que mora nos Estados Unidos da América (USA) e cuida de pessoas com Covid-19 na clínica onde trabalha. Conheça a história  

https://www.facebook.com/groups/autohemoterapiatrataecura/permalink/2794113764040857/  

 

 

Eis alguns links que trazem a entrevista do dr. Luiz Moura sobre auto-hemoterapia. 

 

"Conversa com o Dr. Luiz Moura: O que é auto-hemoterapia?"  

 

http://www.hemoterapia.org/aht_hemoterapia_conversa-com-o-dr-luiz-moura.asp 

 

Auto-hemotherapy – Talking to Dr. Luiz Moura, legendado em inglês. 

 

https://www.youtube.com/watch?v=6PevPuy8epQ 

 

e  

 

Autohemoterapia - Dr. Luiz Moura (legendas em español)  

 

https://www.youtube.com/watch?v=OpmSHI42k80 

 

Transcrição do DVD com a entrevista do Dr. Luiz Moura sobre Auto-hemoterapia (transcrição literal, sem ajustes, daí a linguagem coloquial).  

 

http://www.rnsites.com.br/auto-hemoterapia-dvd.htm  

 

Diz o médico sobre as doses usualmente empregadas na técnica: "... Dosagem da Auto-hemoterapia  

 

As técnicas iniciais ainda empíricas em 1912, foi o Prof. Ravaut, francês, e começou lá. Ele usava em doses crescente de 1cc,2,3,4,5, até 10, ia crescendo a cada dose. Depois o Jésse Teixeira, já não fazia assim, ele dava logo uma dose única, e como a ele interessava uma dose para evitar infecções dos pós-operatórios. Então ele dava logo 10 ml de uma vez e 5 dias depois fazia mais 10ml que era como eu comecei aplicando por ordem de meu pai quando operava os pacientes, exatamente assim.  

 

O que eu cheguei a conclusão que é que a dose varia com a gravidade do problema, vamos dizer, 5ml para uma doença que não seja muito séria, não um lupus, lupus eu só uso 10ml, miastenias graves, artrite reumatóide eu uso 10ml, quando é uma alergia por exemplo, uma reação alérgica, asma, normalmente eu uso 5ml, basta, rinite 5ml, não há necessidade de doses maiores.  

 

Num caso desesperador, como foi o caso da esclerodermia, o primeiro caso que tratei, em 1976, eu usei 20ml iniciais. Porque eu precisava dar uma resposta violenta para a paciente sair de uma situação que tava praticamente, esclerodermia fase final, não tinha nada pra se fazer, então, tudo valia. 

 

Pode-se fazer a auto-hemoterapia durante 10, 15, 20 anos. Eu por exemplo, tomo a muitos há muitos anos, mais de 15, 20 anos que eu tomo, faço a auto-hemoterapia. Agora...Não há nenhuma contra indicação. A gente faz, eu faço, vivo fazendo porque eu viso evitar doenças que deveriam incorporar no meu dia a dia, porque com a idade que foi avançando, passei pela idade dos acidentes vasculares. Muito bem, então eu tomava para evitar o acidente vascular, tanto cerebral quanto cardíaco. Agora eu to tomando porque também me protege contra o câncer, mantenho o sistema imunológico ativado, eu tenho sempre macrófagos prontos para devorar células que com a idade ou até jovens, até porque aparecem células cancerosas, de vez em quando, é como uma fábrica, seu controle de qualidade, existem sempre produtos que não saem corretos e tem que haver um controle de qualidade e o nosso controle de qualidade é o sistema imunológico que faz o controle de qualidade das nossas células. Então isso realmente é necessário.  

 

Não há limite de uso, de tempo, pode se usar uma vida inteira, eu mando para os meus pacientes fazerem assim, fazer uma série de 10 aplicações depois, descansa um mês, alguns casos que nem precisa é só como prevenção descansa 2 ou 3 meses, depois fazer outra série. Seria, vamos dizer, pra usar de forma permanente, agora, com intervalos, dependendo os intervalos da finalidade com que está sendo aplicada a auto-hemoterapia. Se for apenas preventivo pode fazer intervalos grandes. Se for visando um problema ou uma doença que já houve e que tenha que ser mantida sobre controle aí faz-se intervalos menores, faz-se 10 aplicações, 30 dias de intervalo. Muitos pacientes eu começo com 10 ml na fase aguda da doença depois eu reduzo para 5 ml por semana, porque não precisa mais. E tem pacientes, agora vou dar o exemplo do caso que é da minha vizinha lá de Visconde de Mauá, ela teve uma doença que iria cegá-la, ela teve toxoplasmose e já estava com 20% da visão. Então ela e, um dia, uma amiga dela, nos encontramos na estrada e me contou a história e eu então eu prescrevi a AH para ela. Ela por conta dela, quando viu que melhorava, ela aumentou de 10ml para 20 ml, tomava 10 em cada nádega, 20 ml e ela recuperou 80% da visão e ela até hoje faz. Isso, já tem mais de 10 anos, bem mais de 10 anos, e ela até hoje ela faz isso.  

 

O intervalo entre uma aplicação e outra é de 7 dias, casos raros é que eu faço de 5 em 5 dias, quando eu quero manter nível de macrófagos no nível máximo, acima de 20%. Quando não há necessidade disso, quando a infecção, o problema está sobre controle, eu então faço de 7 em 7 dias, porque dá para reativar no 7º dia e volta de novo aos 20%. Faltou eu explicar que no momento que se aplica a AH leva 8 horas para a taxa de 5% (dos macrófagos) chegar a 22%, cada hora vai subindo. A técnica que o Jésse Teixeira usou para comprovar a ação da AH foi uma coisa muito simples. Simples porque?, depois que a gente lê né?, porque a descoberta é que difícil. Ele descobriu que usando uma substância cáustica que se chama “cantárida” que passando na coxa forma-se uma bolha; aí o q ele fez? Ele resolveu tirar líquido da bolha e contar o número de macrófagos constatou que tinha 5%, fez vários dias, uma bolha e constatava que era 5%. Aí fez a AH e começou de hora em hora tirar umas gotas dessa bolha, a cada hora o nível de macrófagos ia subindo no fim de 8 horas chegou aos 22% e ele constatou que durante a semana toda, os 5 dias, manteve os 22%. Todo dia ele tirava, mas mantinha 20 a 22%, do 5º ao 7º é que começou o declínio, então ele fez isso em coelhos. Ele fez a auto-hemoterapia em coelhos e verificou que terminava a ação da AH quando o sangue terminava, porque ele sacrificava o coelho e verificava, bom, voltou de novo ao 5% , foi ver o local que tinha sido aplicado o sangue e já não existia mais sangue.  

 

Mas a AH também é usada em veterinária, se usa em vaca que tem uma doença vírus, que se chama-se figueira, é como verrugas que nascem no focinho da vaca, e que realmente prejudicam muito a vaca, aplicando a auto-hemoterapia que eles fazem com 20ml na vaca, em 2 a 3 dias caem toda a figueira, cai todas aquelas verrugas que a vaca tem, desaparece tudo, isso é um uso veterinário.  

 

Em músculos do braço, eu as vezes tenho paciente que quer que eu aplique os 10ml, logo num músculo, num braço só pra não levar duas picadas. E eu sou contra! Acho que 5, o músculo do braço, o deltóide, comporta 5ml, bem, não há problema nenhum. Agora na nádega sim, a gente pode aplicar os 10ml, o músculo glúteo, têm a capacidade de receber 10ml. A Dona Ml, essa que eu contei da toxoplasmose, ela aplicava 10cc em cada nádega, porque ela queria ter o efeito o máximo que podia para salvar a vista dela, queira salvar a visão, mas foi ela mesma, isso não fui eu quem receitei 20ml assim não, isso foi a própria paciente que decidiu tomar de 20ml, pra ter um resultado mais eficiente.  

 

Então, a dosagem, há casos que eu acredito, e dependendo também, teria que ser feito um estudo, qual a necessidade real, por exemplo, se tem relação essa quantidade? E uma coisa que eu já venho pensando nisso, qual seria a relação entre o peso corporal? Porque as dosagens dos medicamentos variam em função do peso corporal, a dosagem que uma criança toma, de 30k, é muito menos que uma pessoa de 70k. A Auto-hemo, talvez seja desnecessário, em crianças pequenas ser uma dosagem como se dá em adultos de 5ml, poderia aplicar 2, 3 ml, isso tudo é, a minha esperança, é que essa nossa fita aí e essa divulgação que vai resultar disso, que interesse pessoas que queiram fazer uma pesquisa de laboratório sobre isso e que tenham condições de fazer. Porque eu não, eu faço tudo na base do estudo clínico, na base de raciocínio, sem pesquisa de laboratório, sem nada, porque eu não tenho laboratório para isso, eu não tenho laboratório de pesquisa, é tudo pesquisa clínica, da aplicação prática. Todos os meus estudos vêm de aplicação prática.  

 

Como eu tenho certeza de que é uma técnica absolutamente inocente, que nenhum mal faz para a pessoa, nunca vi nenhum problema, eu então.... a gente que diz, bom, mas, se uma injeção de penicilina pode dar um choque anafilático, pode, mas o próprio sangue não dá choque anafilático em ninguém, não há o menor risco nesse tratamento. Nunca vi nenhum abscesso, nenhuma contaminação, porque que não há abscesso? Porque como estimula o sistema imunológico, mesmo que ela seja aplicada mal, e não deve ser.... deve ser aplicada nas melhores condições de higiene... mas se for mal aplicada, dificilmente vai haver uma infecção, porque o sistema imunológico está aguerrido, está quadruplicado. Então, é por isso que dificilmente....é.. eu nunca vi até hoje nenhum problema,... já vi sim, pacientes que não podem ver sangue, e quando vão tomar injeção, desmaiam, mas aí é problema emocional, não tem nada haver com a auto-hemoterapia com efeito sobre o equilíbrio da pessoa. Não tem nada haver, mas então, realmente, eu acho que é de grande valor essa técnica, eu espero que agora a gente tenha uma divulgação grande. 

..." 

E o cientista Jésse Teixeira fala em  

 

http://www.rnsites.com.br/artigo_jesse_teixeira.pdf  

 

do caso particular da Auto-hemoterapia curativa em altas doses (40 a 80 cc.) O título do seu trabalho que foi premiado, publicado em 1940 é "Complicações Pulmonares Pós-Operatórias".  

 

Afirma:  

 

" Resultados e conclusões 

- As complicações devidas ao choque: - Só cedem, evidentemente, ao tratamento do choque (sol, chloretadas hipertônicas e, eventualmente, infusão maciça de café em clister). Contudo, a autohemotransfusão contribui, seguramente, para que sobre elas deixem de enxertar-se as complicações do segundo tipo ou infecciosas. 

 

Tivemos muitos casos de manifestações segmentarias de choque na fibra lisa tráqueo-bronco-pulmonar, porém nenhuma delas evoluiu para a infecção. 

 

- As complicações infecciosas - não surgiram em nossos 150 casos. Em vários dos numerosos casos em que deixamos de fazer a autohemotransfusão, a título de contraprova, as complicações infecciosas apareceram, sendo tratadas pela autohemotransfusão (auto-hemoterapia) curativa em altas doses (40 a 80 cc.), pelo soro chloretado hipertônico, álcool, digital, vitamina C, etc. 

 

Comentemos alguns casos interessantes : numerosos doentes se submeteram à operação com bronquites crônicas ou sub-agudas. Pois bem, após a operação, fez-se a autohemotransfusão e essas bronquites ou continuaram na mesma, sem se agravar ou, então, desapareceram. 

 

De dois doentes que sofreram esplenectomia por ruptura traumática do baço, em um foi feita a injeção de sangue - alta, curada, em oito dias. Em outro não se fez a autohemotransfusão e manifestou-se-lhe um foco de condensação na base direita. 

 

Um velho prostático sofreu uma falha hipogástrica, como tempo prévio à prostatectomia. Dada a benignidade da intervenção, não lhe fizemos a autohemotransfusão e se constituiu uma córtico-pleurite. 

 

Curou-se e, operado de prostatectomia, foi-lhe feita a injeção de sangue, tendo um pós-operatório respiratório normal. 

Outro doente, que padecia de mal de Pott, submeteu-se à operação de ALBEE (enxerto vertebral). Era portador de catarro crônico das vias aéreas superiores; foi operado sob anestesia geral pelo balsofórmio e ficou três meses no leito gessado sem apresentar a mínima complicação pulmonar, tendo-lhe sido feita 

a autohemotransfusão após a operação. ..." 

 

O trabalho do dr. Jésse Teixeira recebeu o título "Complicações Pulmonares Pós-Operatórias" e foi publicado originalmente na Revista Brasil-Cirúrgico Órgão oficial da Sociedade Médico-Cirúrgica do Hospital Geral da Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro Março de 1940 – Volume II – Nº 3. 

 

 

Leia mais: 

 

Cofen e auto-hemoterapia  

 

Elevada mortalidade por Covid-19 na enfermagem exige do Cofen liberação imediata da técnica  

 

http://hemoterapia.org/informacoes_e_debate/ver_opiniao/cofen-e-auto-hemoterapia-elevada-mortalidade-por-covid-19.asp 

 

 

MÉDICO E CIENTISTA JOSÉ FELIPPE JR. ABORDA AUTO-HEMOTERAPIA NA TV  

 

http://hemoterapia.org/informacoes_e_debate/ver_opiniao/medico-e-cientista-jose-filippe-jr-aborda-auto-hemoterapia.asp 

 

 

Há incontáveis relatos de cura das mais diversas doenças em  

 

https://www.facebook.com/groups/autohemoterapiatrataecura/ 

 

 

Veja "PROTOCOLO DE AUTOHEMOTERAPIA" da mestre em Ciências, enfermeira e professora Telma Geovanini 

 

http://www.rnsites.com.br/autohemoterapia-protocolo.htm 

 

 

"Médico afirma que auto-hemoterapia vacina contra ebola; técnica também cura a doença e, entre outros, malária e Sida (Aids)"  

 

https://auto-hemoterapia.blogs.sapo.ao/medico-afirma-que-auto-hemoterapia-115239 

 

IRRESPONSABILIDADE, DESPREZO PELA VIDA: GENOCÍDIO  

 

CONHEÇA TÉCNICAS QUE CURAM DOENÇAS CAUSADAS POR VÍRUS, BACTÉRIAS, FUNGOS E  

PARASITAS DESPREZADAS PELA MEDICINA EM PLENA PANDEMIA DA COVID-19  

 

http://hemoterapia.org/informacoes_e_debate/ver_opiniao/irresponsabilidade-desprezo-pela-vidagenocidio-conheaa.asp 

Ubervalter Coimbra
69 anos
- Vitória - ES

[ocultar participação]  [voltar]

Comentários


Quero comentar Total de 1 comentários  -  1 nesta página
[primeira < anterior   Página de 1     próxima >  [última]

Sexta-feira, 27 de novembro de 2020 - 19:26:58
 

Nenhum comentário ainda.

 

Webmaster



envie este texto a seus amigos

Busca Saúde
Pesquisa personalizada








Atenção: NÃO USE informações aqui divulgadas para substituir uma consulta médica. Seja prudente, consulte um médico, quando entender necessário, para o correto diagnóstico e eventual tratamento".

[ir para a lista que contém esta participação]
 
  AHT HEMOTERAPIA: Informações & Debate, Depoimentos, Publicações e Vídeos (2007 - 2020)
Fique livre para divulguar informações aqui disponibilizadas.
Agradecemos a citação da fonte.
webmaster@hemoterapia.org